Prisão


Um corpo que não sente.

Sente mais não tem sensibilidade de reagir.

Parece fraco e doente;

Há quem diga que é moleza ou até preguiça...

Não é!

È o peso da vida terrestre.

Da Força que o espírito faz, pra se manter na matéria densa e suja.

Nessa prisão, pequena e limitada, porém necessária.

Buscando a tão esperada mudança, o intenso aprendizado.

A tão bela ascensão.

Que passa de eternidade em eternidade e não chega!


Sarah Jorge

5 comentários:

May Santos disse...

Ah... saudade de visitar esse cantinho tão bom ^^
Cheio de textos tão sensíveis ^^

Beijos pra ti flor ^^

Some não :D

May
:)

Sonhos & melodias disse...

Lindo poema Sarah!
Bjs

Jessica disse...

lindo *---*

Romin disse...

Da percepção dessa densidade, do peso da matéria para o passar dos dias surgiu, como um presente divino, a sua sensibilidade. E é a apartir daí que o melhor da simplesidade da vida acontece.
Bjo amor

sarahlacerda disse...

que liiindo sarah! Parabéns! beijoss (: